2 Comentários

Deixa o passado lá

Hoje em dia, no caminho pro trabalho, só presto atenção no relógio três vezes: quando saio de casa, quando faço a baldeação pro metrô e quando chego no prédio. Antigamente não era assim, eu olhava pro relógio a toda hora e ficava pensando em como ia chegar atrasado, que eu deveria ter saído mais cedo, que o trem deveria andar mais rápido.

Então por que, hoje em dia, eu leio tranquilamente, ouço podcasts e escrevo textos, por mais atrasado que esteja? Porque eu percebi que o passado não tem esse nome à toa. Se chama passado porque, veja só, já passou. Pode parecer óbvio, mas não é.

Continue lendo. Você já tá atrasado mesmo..

Deixe um comentário

O Dia do Juízo Final

Então, no Grande Dia do Juizo Final de Toda a Humanidade e seus parentes próximos, humanos e humanoides foram reunidos na face da terra para ouvir o destino de suas pobres almas.

Pessoas desesperadas tentavam ajudar uns aos outros, na tentativa de fazer um último benefício aos seus semelhantes para alcançar a benesse do todo poderoso. Claro que esse não era o momento pra isso, então ouviu-se uma voz do céu:

— Acabou o tempo, galera. Parem o que estiverem fazendo, porque chegou a hora. Todos de pé! — disse um anjo.

Todos que estavam deitados, em todas percentagens possíveis, ficaram 100% em pé e olharam para o alto. Uma luminosidade surgiu em todo o céu e dela veio uma voz dizendo “Podem se deitar.” Algumas pessoas deitaram 50%, outras 75%, uns mais afobados foram até os 127%, mas o momento fez com que não se ferissem. Então a voz bradou:

— Tá certo, hora de começar o julgamento de vocês. Vamos resolver logo isso pra todo mundo ir logo pra onde tem que ir e eu voltar a fazer o que eu quiser fazer.

A humanidade permaneceu em silêncio, aguardando seu destino. A voz, novamente, fez-se ouvir:

— Cadê o João? Traz logo João aqui pra gente acertar as contas.

Esperando que o João barbudo das histórias da bíblia aparecesse, o povo ficou perplecto ao ver um homem, bem velhinho, com bigodes brancos, assim como o que sobrava do seu cabelo, ser elevado da Terra em direção a um patamar que acabara de surgir entre eles e a fantástica luminosidade.

Mr. Moulin, nas nuvens, olhando para o alto

Mr. Moulin, do incrível curta Même les pigeons vont au paradis

— Oi, João, tudo bem? Tudo sim, eu sei. Então, João, te chamei aqui porque quero saber o que você tem a dizer sobre as merdas que cês andam fazendo com a porra do universo, João. Cês tão cagando tudo, João. João, me diz, o que eu devo fazer com vocês, João?

— Como assim, Senhor? Eu não

— “Como assim”?! João, deixa eu abrir aqui a lista. Você roubou dinheiro da sua mãe quando era adolescente, amarrou bombinha no rabo de um gato, dirigiu chapado, João! Além disso, o número de vezes que você furou o sinal vermelho e passou do limite de velocidade seria suficiente pra quebrar o contador do youtube novamente! Ah, e ainda tem aquele caso, daquela menina

— Senhor…

— Não me interrompe, João! Caceta! Abusado. Aquela menina que você filmou enquanto ela tomava banho. Cê acha o quê, João? Que só seus amiguinhos viram? A torcida do Corinthians inteira viu aquele vídeo, João! E sabe quem mais? EU VI! — Um leve tremor percorreu a Terra. — E é por isso que eu tô perguntando: o que você tem a dizer que possa defender a humanidade depois de tudo isso que vocês fizeram?

Do meio da multidão, uma pessoa levantou a voz:

— Opa, peraí, Senhor, com todo o respeito. Deixa eu ver se entendi. O Senhor tá julgando a humanidade pelo que esse João aí fez?

— É. Algum problema?

— Então, Senhor. Eu não acho que isso seja justo. João é só um humano, não a raça humana toda. Cada um deveria ser julgado de acordo com o que fez, não todos pelo que esse coroa fez.

— Deixa eu te contar uma história:
“Numa de minhas aparições pela Terra, teve uma vez que eu falei um monte, sobre um monte de coisas. E eu me lembro bem que uma das coisas que falei foi “mano, cês vão ser julgados da mesma forma que cês tão julgando os outros, se liga”. E vocês, cagando um monte pro que eu disse, tão aí julgando todo mundo enquanto olham pra um indivíduo só.

“Se a pessoa atravessa fora da faixa, cês já vem logo com um “olha lá. ninguém quer usar a faixa. depois morre aí e fica reclamando.” Se mata outra pessoa, “ser humano não tem jeito. tinha era que matar todo mundo.”

“Não é assim que cês fazem? Agora fica aí no teu canto que eu tenho que resolver isso aqui.

E, assim, a humanidade foi julgada. Pelo seu próprio critério.

2 Comentários

Qual o problema do Viber?

Cara, não adianta, não consigo achar o Viber bom. E olha que nem é minha tendência de ser do-contra ou hipster, o que as pessoas podem ser levadas a acreditar por eu não gostar justamente do que elas gostam no aplicativo. Eu realmente não acho o app assim tão bom como seus fãs fazem parecer.

Um dos motivos é essa necessidade de atenção que o Viber tem. Sabe aquele seu amigo que ficava te cutucando no Facebook pra mostrar que ele existe (e na vdd esse amigo é você)? É isso que vejo toda vez que aparece uma notificação de novos stickers, promoção de stickers, receitas com stickers, por favor olhe pra mim não me abandone não me desinstale stickers.

Viber, cara, eu sei que você tá instalado aí. Toda vez que meu celular chora por falta de espaço, você é um dos primeiros apps que eu vejo comendo minha memória. E, mesmo assim, não te desinstalei. Isso deve significar algo. Tenha esperança, um dia você chega lá (acho).

Continue lendo antes de me xingar

Deixe um comentário

A Morte do Parabéns Pra Você

Por motivos de constrangimento, conflitos familiares, do aumento nos divórcios e daquele seu amigo de infância, o bullying, que se manifestava na insinuação de que seu coleguinha casaria, teria dois filhinhos e se separaria daquela moça que morava na rua da padaria e corria atrás de cachorros chamando-os de “bebê”, o “com quem será” foi o primeiro item a cair. De lá pra cá, só piorou.

grafico-parabens-tempo

Continua aí..

Deixe um comentário

Links das Semanas Passadas #3

Olá, criançada! Bela de uma segunda feira fria começando e vocês aí pensando “e agora? o que farei até a hora do almoço?” Pois não temais! Os links da semana passada chegaram! *todos ovaciona*

Na verdade, hoje temos os links das semanas passadas, porque na última segunda feira, contrariando a ordem do universo, não postei links aqui e só consigo imaginar o quanto todos sofreram.

Porém, vamos à procrastinação do dia, pra começar bem a semana.

Passeando pelo Blog dos Crentassos em busca de uma igreja “não só/mas também”.

Agora que a Copa acabou, você sabe o que aconteceu com a Favela Metro?

Também no Crentassos, um bom comentário sobre os atentados envolvendo Israel e Palestina nas ultimas semanas.

Tente não chorar (sério).  Jogador encontra o fantasma do pai em seu X-Box [em inglês]

Nesse momento tenso da nossa democracia defeituosa, surgem pesquisas e enquetes que podem alterar o curso das coisas. No Causas Perdidas, entenda a ilusão das enquetes eleitorais.

Após a contusão do todo poderoso Neymar, nos assustamos com o nacionalismo nazista do futebol brasileiro.

Vejo muita gente que diz não ao feminismo sem nem mesmo saber do que se trata. Esse texto dá algumas ideias. Por que não há mais pessoas se dizendo feministas? [em inglês]

Lembrando que os links aqui encontrados não foram, necessariamente, feitos/escritos/produzidos na semana passada. Como leio muita coisa, ainda estou lendo posts do ano passado e isso reflete aqui. Para assuntos mais recentes, me siga no Twitter!